Câncer em tartaruga pode ajudar pesquisadores contra a versão humana

0 272

Alguns cânceres humanos são tratados primeiro pela remoção cirúrgica do tumor e depois pela quimioterapia. Um tratamento especial reduziu a recorrência do fibropapiloma em tartaruga de 60% para 18%, relatam pesquisadores hoje em Comunicações Biologia.

O câncer geralmente leva a crescimentos celulares na boca, nos olhos e nas nadadeiras que interferem na alimentação, natação e outras funções – às vezes, tanto que as tartarugas acabam morrendo.

Biólogos da Flórida notaram pela primeira vez a doença em tartarugas marinhas verdes (Chelonia mydas, na foto) há mais de um século e, nos anos 90, descobriram que ela era transmitida por um vírus similar ao da herpes.

Hoje, esse câncer é encontrado em todo o mundo, especialmente em lugares mais quentes.

Quando pesquisadores que trabalham em um hospital de tartarugas marinhas na Flórida compararam a atividade gênica em tumores com atividade genética em tecidos saudáveis ​​de tartarugas marinhas, descobriram que os tumores se desenvolvem graças a uma rede de proteínas muito semelhante à rede de proteínas que promove câncer em humano.

Em especial câncer de pele e carcinoma basocelular. Por isso, eles tentaram drogas anticâncer nas tartarugas.

A comparação mostrou que o vírus em si é inativo assim que o tumor é iniciado e, surpreendentemente, os genes que controlam a formação de células nervosas também são muito ativos no tecido canceroso, observam eles.

Assim como a luz do sol é um fator de risco para esse câncer de pele humano, a luz solar parece aumentar as chances de que isso aconteça com a doença da tartaruga, relatam os pesquisadores.

Outros fatores ambientais, como a poluição, provavelmente entram em ação também, observam eles, já que os tumores raramente são vistos em animais que vivem em ambientes imaculados, embora esses animais carreguem o vírus.

A incidência destes tumores aumentou 10 vezes na última década, mas a doença não parece estar prejudicando a recuperação das tartarugas marinhas da extinção.

Graças aos regulamentos para reduzir o número de tartarugas capturadas por comida ou presas em redes de pesca, o seu número cresceu exponencialmente nos últimos anos.

Fonte: Science

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Inscreva-se no Notícia Alternativa
Inscreva-se no Notícia Alternativa
Inscreva-se para receber mais notícias e atualizações
Você pode desativar quando quiser