Nova combinação de medicamentos contra o câncer de pâncreas.

0 10

Ensaio clínico irá testar a segurança da nova estratégia em pacientes com câncer de pâncreas avançado. Resultados preliminares mostram sucesso.

Câncer de pâncreas. O estudo, da Escola Universitária de Medicina de Washington em St. Louis, foi publicado em 04 de julho na revista Nature Medicine.

Com base nos achados do estudo, médicos da Universidade de Washington estão conduzindo um ensaio clínico de fase 1 em pacientes com câncer pancreático avançado. O ensaio irá testar a segurança da combinação de drogas quando administrado juntamente com quimioterapia padrão .

“Tumores pancreáticos notoriamente não respondem à quimioterapia convencional e formas mais recentes de imuno terapias”. Disse o autor David G. DeNardo, PhD, professor assistente de medicina. “Nós suspeitamos que o ambiente fibroso do tumor (típico de câncer pancreático) pode ser responsável pela fraca resposta às terapias imunológicas que têm sido eficazes em outros tipos de câncer.”

Ao contrário de outros tipos de câncer, tumores pancreáticos são caracterizados por uma grande quantidade de tecido fibroso (de cicatriz). Este tecido conjuntivo extra e as células que depositam esse material proporcionam um ambiente protetor para as células de câncer. Essa composição tecidual dificulta o sistema imunitário atacar as células tumorais. Algo que limita a exposição do câncer a quimioterapia entregue através da corrente sanguínea. DeNardo e seus colegas investigaram essa proteção pode ser desestabilizada se as proteínas do tecido fibroso forem perturbadas.

“Proteínas denominadas cinases de adesão focal são conhecidos por estarem envolvidos na formação de tecido fibroso em muitas doenças. Não apenas no câncer,” diz DeNardo. “Então, temos a hipótese de que o bloqueio desta via pode diminuir a fibrose e imunossupressão em câncer pancreático.”

O estudo

Leia mais

No estudo em ratos, um inibidor de Quinase de adesão focal (FAK) experimental foi administrado em combinação com uma terapia imunológica. Essa combinação ativa as células T do organismo e torna as células tumorais mais vulnerável ao ataque.

Os ratos com câncer de pâncreas sobreviveram mais de dois meses quando administrado com um inibidor da FAK em comparação com a terapia imune sozinha. Inibidores de FAK adicionando a quimioterapia padrão melhorou a resposta do tumor. Mas a combinação de três drogas – inibidores de FAK, terapia imune e quimioterapia – apresentou os melhores resultados em estudos de laboratório, mais do que triplicando o tempo de sobrevivência em alguns ratos. Alguns ainda estavam vivos sem evidência de progressão da doença em seis meses.

O sucesso deste estudo em rato forneceu uma forte razão para testar esta combinação de drogas em pacientes com câncer de pâncreas avançado, de acordo com Wang-Gillam.

“Nós esperamos melhorar os resultados para esses pacientes. A sobrevivência de câncer de pâncreas metastático é tipicamente apenas seis meses a um ano. A vantagem da nossa abordagem em três vertentes é que estamos atacando o câncer de várias formas, rompendo as fibras de o microambiente do tumor de modo a que mais células imunes e mais do medicamento quimioterápico pode atacar o tumor “.

Fonte: Nature Medicine

Comentários

Loading...