Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Conheça o câncer contagioso em mexilhões.

0 54

O câncer é uma dor de cabeça para os humanos, mas pelo menos não é contagioso. O mesmo não pode ser dito para mariscos, mexilhões e outros bivalves marinhos. Conheça o câncer contagioso

Câncer contagioso – De acordo com um novo estudo, publicado online na revista Nature, essas criaturas podem sofrer de uma forma de câncer semelhante à leucemia. Parece ser transmitida através da água e pode passar não só entre os membros de uma espécie, mas mesmo entre diferentes espécies.

Análises genéticas revelaram que, mesmo em diferentes mexilhões, as células câncerosas são muito mais semelhantes entre si do que para células hospedeiras saudáveis. Sugerindo que o câncer não tinha se desenvolvido originalmente no tecido do mexilhão de acolhimento. Pode ter vindo de um comum fonte externa.

câncer contagioso
Amêijoas

As amêijoas revelaram uma história semelhante, mas mostraram evidências de duas linhagens distintas de células cancerosas que evoluíram separadamente ao longo do tempo. Os mariscos de casca dourada são os mais interessante: Novamente, diferenças entre as células hospedeiras e as células cancerosas deu a aparência de que as células cancerosas eram de uma fonte externa, mas desta vez as diferenças foram tão grandes que as células câncerosas parecem muito mais com células hospedeiras de uma espécie completamente diferente. Chamada (Venerupis corrugata).

A equipe conclui que as mutações cancerígenas inicialmente surgiram em V. corrugata. Mas em algum ponto elas cruzaram com a Polititapes aureus . Para os bivalves, pelo menos, os resultados sugerem que o câncer se comportou como um novo tipo de agente infeccioso, semelhante em muitos aspectos a patógenos tradicionais que evoluem continuamente. Novos ajustes genéticos lhes permitem sobreviver e se reproduzir. Este tipo de câncer transmissíveis também foi descoberto em vários mamíferos, incluindo os demônios da Tasmânia e certas raças de cães.

Com os novos resultados em bivalves, os autores sugerem, que alguns animais são mais susceptíveis ao fenômeno. Apesar de haver relatado alguns casos excepcionais em humanos, esse tipo de contágio não ocorre. Pelo menos por enquanto.

Fonte: Science