Camas de cobre salvam vidas em hospitais – Entenda!

0 236

Um novo estudo descobriu que leitos hospitalares de cobre na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) abrigavam uma média de 95% menos bactérias do que os leitos hospitalares convencionais e mantinham o baixo nível durante toda a permanência dos pacientes no hospital.

A pesquisa foi publicada esta semana na Applied and Environmental Microbiology, uma revista da Sociedade Americana de Microbiologia.

“As infecções adquiridas em hospitais adoecem aproximadamente 2 milhões de americanos anualmente e matam quase 100.000, números aproximadamente equivalentes ao número de mortes se um jato de corpo largo colidisse todos os dias”, disse o co-autor Dr. Michael G. Schmidt, PhD, professor de microbiologia e imunologia da Universidade Médica da Carolina do Sul, Charleston. Infecções são a oitava principal causa de morte nos EUA.

As camas de hospital estão entre as superfícies mais contaminadas nos ambientes de atendimento ao paciente.

“Apesar dos melhores esforços dos trabalhadores, eles não são limpos com frequência suficiente nem com eficiência”, disse o Dr. Schmidt. No entanto, até recentemente, camas de pacientes com superfícies de cobre, conhecidas por repelir e matar bactérias, não estavam disponíveis comercialmente.

A propriedade antimicrobiana do cobre

O conhecimento das propriedades antimicrobianas do cobre remonta à antiga Ayurveda, quando a água potável era frequentemente armazenada em vasos de cobre para prevenir doenças.

Na era médica moderna, vários estudos observaram as propriedades antimicrobianas do cobre.

No entanto, até recentemente, ninguém havia projetado camas hospitalares que permitiam encapsular todas as superfícies de alto risco em cobre. “Com base nos resultados positivos de testes anteriores, trabalhamos para obter um leito de cobre totalmente encapsulado”, disse o Dr. Schmidt.

“Precisávamos convencer os fabricantes de que o risco de empreender esse esforço valia a pena”.

Este estudo in situ comparou a contaminação relativa de leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) equipados com trilhos de cobre, estribos e controles de leito com leitos hospitalares tradicionais com superfícies de plástico.

Leia mais

Quase 90% das amostras de bactérias retiradas do topo dos trilhos de plástico tinham concentrações de bactérias que excedem os níveis considerados seguros.

“As descobertas indicam que os leitos antimicrobianos de cobre podem ajudar os profissionais da saúde em manter as superfícies de saúde higiênicas entre as limpezas regulares, reduzindo assim o risco potencial de transmissão de bactérias associadas a infecções associadas à saúde”, disse o Dr. Schmidt.

Com o advento das camas de cobre, os dividendos provavelmente serão pagos em melhores resultados para os pacientes, vidas salvas e economia nos gastos.

Fonte: EurekaAlert

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More