Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

O aumento do preço da insulina preocupa cientistas.

0 64

O aumento do preço da insulina deixa cientistas em alerta

O aumento do preço da insulina ao longo dos anos está preocupando cientistas; as injeções de insulina mantém vivas as pessoas com diabetes tipo 1, e elas precisam tomar várias injeções por dia, muitas vezes começam essa rotina na infância. Em adultos com diabetes tipo 2 avançado, os médicos a prescrevem para controlar o açúcar no sangue e evitar danos devastadores em todo o corpo – geralmente depois de dieta e exercício. Outros medicamentos ainda não conseguem reduzir suficientemente os níveis de açúcar no sangue.

Publicado hoje no Journal of the American Medical Association, o artigo estimou em dólares o valor que os pacientes e os seus planos de saúde pagaram de 2002 à 2013 para todos os antiglicêmicos, ou medicamentos que reduzem os níveis de açúcar no sangue. No período de tempo estudado, o custo total de insulina mais do que triplicou, de US$ 231 por ano para US$ 736 por ano para cada paciente, em 2013. O custo por mililitro de insulina quase triplicou no mesmo período, de US$ 4,34 a US$ 12,92.

E, no mesmo período, a utilização média anual passou de 171 mL a 206 mL. Isso provavelmente aconteceu devido ao aumento do sobrepeso e da obesidade, o que aumenta a quantidade de insulina necessária por uma pessoa, bem como novas recomendações nacionais que enfatizam os níveis de açúcar mais baixos para todas as pessoas com diabetes.

Enquanto isso, o gasto por pessoa com todos os outros medicamentos responsáveis por regular os níveis de açúcar no sangue foi de US$ 502 em 2013, abaixo dos cerca de US$ 600 em 2002. O custo destes medicamentos combinados caiu ao longo dos primeiros nove anos, ao fundo do poço em 2011 e subiu ligeiramente desde então.

Os investigadores analisaram dados de quase 28.000 pessoas que receberam tratamento para diabetes no período de 11 anos, numa altura em que a diabetes foi subindo de forma constante. A idade média foi de cerca de 60.

Esquema mostra como a insulina permite a entrada de glicose na célula

Opinião:

Os autores do estudo dizem que o aumento do preço da insulina em comparação com outras terapias significa que é hora de olhar novamente para o efeito, e a relação custo-eficácia, de terapias não-insulínicas. Eles também observam que o preço de insulina  provável não cairá por causa da concorrência de formas genéricas, devido a forma como ela é regulada.

“Nos Estados Unidos, o aumento de mais de 3 vezes o custo de insulina durante a última década é alarmante. É um fardo para os doentes e os contribuintes e pode negar que algumas pessoas tenham acesso a uma terapia salva-vidas”, diz William Herman, MD, MPH, o co-autor do estudo. “Embora os análogos de insulina mais recentes e mais caros parecem ter benefícios adicionais em comparação com as preparações de insulina mais antigos e menos caro, o seu preço premium nos obriga a perguntar se eles são realmente necessários, e em caso afirmativo, por quem?”

Herman, um professor de medicina interna na Faculdade de Medicina e de epidemiologia na Escola de Saúde Pública, é um membro do Instituto de U-M para a Política de Saúde e Inovação.

Leia mais

“O que nosso estudo mostra é quão rapidamente as coisas podem mudar e por que há uma necessidade de focar os custos, bem como os benefícios ao decidir opções de tratamento para as pessoas com diabetes”, diz Philip Clarke, Ph.D., autor sênior do estudo e um professor na Escola de População e Saúde global e Centro de política de Saúde de Melbourne.

Fonte: Jounal of American Medical Association