Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Atletas atuais podem ter atingido o limite do corpo humano – Saiba mais!

0 239

Apenas dois recordes mundiais foram quebrados nas Olimpíadas de Rio em 2016: Wayde van Niekerk, da África do Sul, nos 400 metros masculinos e Almaz Ayana, da Etiópia, nos 10000 m das mulheres.

Nos campeonatos mundiais de atletismo deste ano em Londres, apenas um atleta conseguiu quebrar um recorde mundial.

Essa honra foi para Ines Henriques de Portugal para a marcha atlética de 50km feminina.

Embora seja uma conquista pessoal extremamente impressionante, esse recorde não é exatamente surpreendente, já que foi o primeiro ano em houve participação feminina no evento. (Os organizadores criaram o evento feminino para garantir a igualdade de gênero. Os homens competiam nessa modalidade desde 1932.)

Isso pode não ser uma má fase dos atletas para quebrarem recordes, dizem os especialistas. Isso pode ser o início de uma nova tendência a longo prazo.

Enquanto as melhorias no treinamento e nutrição no século 20 viram a conquista atlética melhorar a passos largos, muitos cientistas acreditam que agora estamos extremamente perto de alcançar o potencial total do corpo humano para esportes de resistência.

Isso significa que a quebra dos recordes, pelo menos no que diz respeito aos corredores profissionais, poderia estar chegando ao fim.

Para quebrar os limites naturais da fisiologia humana e vencer os registros existentes, os atletas podem ter que recorrer a tecnologia artificial e doping.

Este argumento é apoiado por pesquisas.

Em 2008 – antes que Usain Bolt esmague os registros existentes para os homens de 100m em 2009 – um estudo descobriu que os atletas já realizaram 99% do que é fisicamente possível de acordo com a biologia humana.

São necessários muitos fatores para tornar o corredor “perfeito”.

Vincent Pialoux, vice-chefe do Laboratório Interuniversitário de Biologia do Movimento Humano de Lyon, identificou “três principais critérios fisiológicos e biomecânicos” em um artigo publicado pela AFP.

Estes são a resistência, a capacidade de criar energia usando oxigênio e eficiência motora (capacidade atlética de economizar energia).

“Destes três fatores, se tomarmos os melhores dados medidos no laboratório em diferentes atletas, chegamos a momentos bem próximo dos limites previstos” por modelos baseados na evolução do desempenho, disse ele.

Nenhum atleta profissional marcou pontuações máximas nos três quesitos, fazendo que o corredor “perfeito” seja, pelo menos por enquanto, estritamente teórico.

Agora que estamos abordando nossas limitações biológicas, fica a dúvida se veremos mais incidentes de doping, terapia com células-tronco e atletas geneticamente modificados.

“A transformação do homem em um animal capaz de correr uma maratona em uma hora e 40 minutos levaria muito tempo, se for possível, e há um incalculável número de limites científicos”, acrescentou Dr. Pierre Sallet, especialista em desempenho de Atletas.

Fonte: IFLScience