Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

População armada ou desarmada?

0 105
  • Estudo de Harvard mostrou que, dos países analisados, aqueles com mais armas legalizadas têm menos assassinatos. Um exemplo é a Rússia, em 2002 a taxa de homicídios era de 20,54 por 100 mil habitantes quando havia 4 mil armas registradas por 100 mil habitantes. Já 11 anos depois, em 2013, foram nove assassinatos – e 9 mil armas – para cada 100 mil pessoas.
  • Em um estudo do FBI os dados publicados indicam que para cada pessoa armada que é bem-sucedida ao reagir a um crime, 185 morrem no caminho. Em outra pesquisa, também do FBI, a cada homicídio causado por autodefesa, 34 pessoas são assassinadas, 78 se suicidam e 2 morrem devido a despreparo no manejo de armas.

 

  • Os EUA têm a maior taxa de armas do mundo: 112,6 por 100 mil habitantes. Mesmo assim, o índice de crimes violentos vem caindo todos os anos. Em 2014, ano do último levantamento feito pelo FBI, a taxa foi a menor registrada nos últimos 25 anos, de 386,9 ocorrências a cada 100 mil pessoas.
  • No Rio de Janeiro, a polícia civil divulgou números de que 30% das armas apreendidas de criminosos foram adquiridas de cidadãos com porte legalizado. Já em São Paulo, a Secretaria de Segurança Pública revelou que, entre 1993 e 2000, mais de 100 mil armas foram perdidas, roubadas ou furtadas. Revogar o estatuto significaria ter mais armamentos perdidos.

 

  • No Brasil, mesmo com o estatuto do desarmamento, o número de mortes por armas de fogo aumenta ano a ano. Em 2003, quando a lei foi aprovada, 39.325 pessoas perderam a vida assim. Em 2012, após nove anos da lei em vigor, o número subiu para 40.077 homicídios. Atualmente, o Brasil tem 19 cidades na lista das 50 mais violentas do mundo.

 

  • Pesquisas de três universidades brasileiras diferentes (PUC Rio, USP, e FGV) revelam que o número de homicídios nas cidades está diretamente relacionada com a disponibilidade das armas de fogo. Os mesmos estudos destacam também a ineficácia dos armamentos em impedir a realização de crimes. As pesquisas concluem que ter uma arma não é sinônimo de segurança.

 

  • “A única coisa que pode parar uma pessoa má armada é uma pessoa boa com outra arma” Wayne LaPierre

 

  • “A solução para a segurança pública deve ser coletiva e não uma decisão individualizada de cada cidadão com uma arma em casa, achando que poderá se defender.” Ivan Marques – ONG “Sou da paz”.

 

  • “O Estado está falido e o cidadão está praticamente sozinho, porque a Polícia Militar, que faz o patrulhamento, não tem nem retaguarda jurídica para agir” Eduardo Bolsonaro (PSC-SP).

 

  • “Dar mais armas ao cidadão não vai torná-lo mais seguros e, sim, fazer deles mais vítimas. Por isso, a maioria das secretarias estaduais de segurança pública são a favor do desarmamento.” Ivan Valente (Psol-SP).

 

Fontes: Harvard – FBI – Secretaria de Segurança – Abril.com

Leia mais