Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Pesquisa responde se alcoolismo é genético

0 56

O alcoolismo é genético sim. Mas é muito mais complexo do que se pensava. É o que afirma um novo estudo publicado essa semana.

Os cientistas descobriram 930 genes que impulsionam o cérebro a exigir compulsivamente bebidas. Eles chegaram a essa conclusão depois de décadas de criação de ratos dependentes de álcool, que bebiam profusamente.

Comparando os genomas desses ratos com ratos sóbrios, a equipe da Universidade de Purdue encontraram grandes diferenças. Eles sugerem que seus corpos eram biologicamente programados para desejar álcool. Diz o principal autor Dr. William Muir.

alcoolismo é genético
Alcoolismo é genético.

“Esta pesquisa destaca que o alcoolismo em ratos tem um forte componente genético e é influenciada por muitas centenas de genes, cada um com efeitos pequenos.” Disse o Dr. Muir. “Não há um único gene responsável por alcoolismo.”

“No entanto, vias reguladoras críticas envolvendo vários dos genes descobertos foram encontrados. Isso sugere que potenciais soluções farmacológicas podem ser possíveis.”

O alcoolismo é uma doença crônica.

Pessoas que não podem controlar a bebida sofrem fisicamente e emocionalmente.

Embora a pesquisa pode abrir novas portas para a compreensão do alcoolismo, o Dr. Muir adverte que suas descobertas mostram a doença poderia ser mais complexa do que se pensava anteriormente.

“Não é um gene o problema. Esta característica é controlada por um grande número de genes e redes “, disse ele.
“Isso provavelmente afoga a ideia de tratar o alcoolismo com uma única pílula.”

Os resultados do estudo foram verificados em um outro par de linhas selecionadas a partir da mesma população inicial. Eles identificaram genes que não haviam sido previamente associados ao alcoolismo, incluindo vários que estão envolvidos com a formação de memórias e comportamentos recompensa.

Leia mais

Muitas destas diferenças genéticas foram localizados em sequências não codificadoras, tais como íntrons e de regiões promotoras. O que sugere que as diferenças de preferência ao álcool são principalmente devido a alterações nas regiões reguladoras do genoma. Isto indica que a doença não é devido principalmente a diferenças no que os genes fazem, mas a quantidade que eles fazem.

Fonte: Daily Mail