Não foram os humanos que descobriram a agricultura – Entenda!

0 329

Os seres humanos se gabam de terem inventado a agricultura há cerca de 12 mil anos, em algum lugar no fértil sudoeste da Ásia.

Também gostamos de nos orgulhar de como fomos os criadores dos antibióticos há cerca de 80 anos. No entanto, como a maioria das coisas, a natureza nos derrotou há milhões de anos.

Um novo estudo, publicado na revista Proceedings of National Academy of Sciences, revelou que as formigas cultivam fungos há cerca de 60 milhões de anos. Isso não é tarefa fácil, no entanto.

As “plantações de fungos” das formigas correm o risco de parasitas fúngicos, que têm o potencial de destruir uma colônia inteira. Para evitar qualquer infestação indesejada, as formigas se aglomeram em uma bactéria simbiótica (branca), chamada actinobactéria, para proteger sua colheita (foto abaixo).

O mundo é atualmente o lar de cerca de 250 espécies de formigas, e essa nova pesquisa revela como suas impressionantes habilidades agrícolas evoluíram de forma independente três vezes, um fenômeno conhecido como evolução convergente.

“Menos de um século atrás, os seres humanos aprenderam a empregar antibióticos para fins medicinais, enquanto as formigas têm usado secreções antibióticas para gerenciar seus jardins de fungos por milhões de anos”, disse Dr. Christian Rabeling, professor assistente na Escola de Ciências da Vida do Arizona, em um comunicado.

formigas na agricultura

A descoberta

A descoberta foi feita graças a formigas presas em âmbar encontradas na República Dominicana.

Alguns desses espécimes tinham bolsas profundas, conhecidas como criptas, que as formigas modernas usam para conter suas doses de actinobactérias. Outra formiga estava coberta de minúsculas bolhas de gás que provavelmente eram produzidas pela respiração das actinobactérias.

O âmbar remonta de 15 – 20 milhões de anos atrás; no entanto, os cientistas têm fortes razões para acreditar que as formigas assumiram esse passatempo por muito tempo, muito antes disso.

Leia mais

Eles reuniram os dados genéticos de 69 espécies de formigas e reuniram uma grande parte de sua árvore evolutiva. Isto sugeriu que o uso de actinobactérias entre formigas se originou de 50 a 60 milhões de anos atrás e evoluiu independentemente em até três ocasiões separadas.

Outra ideia particularmente interessante.

Colônias de formigas nunca mostram sinais de resistência a antibióticos, apesar de usar o mesmo método antigo por milhões de anos. Parece que em algum lugar dentro dessa estranha teia de formigas, fungos e actinobactérias, poderemos encontrar uma maneira de evitar a resistência aos antibióticos – um dos maiores desafios que o mundo encontrará no próximo século.

“Eu acredito fortemente que existem mecanismos que reduzem o surgimento de resistência a antibióticos”, acrescentou a professora de bacteriologia Dra. Cameron Currie, da Universidade de Wisconsin-Madison.

Fonte: IFLS