Adoçantes artificiais estão relacionados ao aumento do IMC infantil

0 8

O consumo diário de bebidas com adoçantes artificiais por mulheres durante a gravidez pode estar associada com o aumento do índice infantil de massa corporal (IMC) e pode estar associada a um maior risco de excesso de peso na infância, de acordo com um artigo publicado online pela JAMA Pediatrics.

A obesidade pode estar enraizada desde o início da vida, com mais de 20% das crianças pré-escolares classificadas como acima do peso ou obesos. O açúcar está associado à obesidade e, substitutos de açúcar e adoçantes não nutritivos são cada vez mais populares. A literatura sugere que o consumo crônico de adoçantes artificiais não nutritivos (NNS) pode, paradoxalmente, aumentar o risco de obesidade e doença metabólica. Pouco se sabe sobre os efeitos da exposição de SNN durante a gravidez.

adoçantes artificiaisMeghan B. Azad, Ph.D., da Universidade de Manitoba, Winnipeg, Canadá e co-autores estudaram 3.033 pares mãe-filho para examinar a associação entre o consumo de bebidas adoçadas artificialmente durante a gravidez e seu efeito sobre o IMC da criança no primeiro ano de vida. Um questionário alimentar foi utilizado para as avaliações nutricionais durante a gravidez e o IMC infantil foi medido quando eles completaram 1 ano de idade.

Os autores relatam a média de idade das gestantes foi de 32,4 anos. Para as crianças, a sua pontuação z IMC médio (que mede desvios em IMC) foi de 0,19 a 1 ano de idade e 5,1% das crianças estavam acima do peso. Mais de um quarto das mulheres (29,5%) relataram beber bebidas adoçadas artificialmente durante a gravidez, incluindo 5,1% que relataram beber-los diariamente.

Os resultados do estudo indicam que o consumo diário de bebidas adoçantes artificiais, em comparação com nenhum consumo dessas bebidas, foi associada a um aumento do escore z de IMC da criança e um duplo aumento do risco da criança estar acima do peso com 1 ano de idade. O consumo de bebidas adoçadas com açúcar não foi associada a pontuação do bebê z de IMC.

“Para o nosso conhecimento, nossos resultados fornecem a primeira evidência humana que o consumo de adoçante artificial durante a gravidez pode aumentar o risco de excesso de peso na primeira infância. Dada a atual epidemia de obesidade infantil e o amplo consumo de adoçantes artificiais, mais pesquisas são necessários para replicar nossos resultados em outras coortes, avaliar NNS específicas e resultados a longo prazo, e estudar os mecanismos biológicos subjacentes “, concluem os autores.

Leia mais

Fonte: JAMA pediatrics

Comentários

Loading...