Notícia Alternativa
Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Pesquisadores encontram flores de 100 milhões de anos ainda preservadas

0 279

Sete flores com mais de 100 milhões de anos foram encontradas perfeitamente preservadas em âmbar.

As flores, descobertas em Mianmar, foram encapsuladas em âmbar no período Cretáceo no que teria sido uma floresta de pinheiros.

Os autores de um artigo estudando as flores, que estão em condições deslumbrantes, especularam que poderiam ter sido deslocados de suas árvores por um dinossauro que passava.

“Os dinossauros podem ter derrubado os ramos que deixaram as flores em depósitos de resina na casca de uma árvore de araucária, que se pensa ter produzido a resina que se fosilizou na âmbar”.

Dr. George Poinar Jr, professor emérito da Faculdade de Ciências da Universidade Estadual de Oregon disse em um comunicado.

“As árvores de araucária estão relacionadas aos pinheiros kauri encontrados hoje na Nova Zelândia e Austrália, e os pinheiros kauri produzem uma resina especial que resiste a intemperismo”.

flores em âmbar
Foto das flores de 100 milhões de anos foram encontradas.

As flores

As sete flores são bastante minúsculas de 3,4 a 5 milímetros de diâmetro, então os pesquisadores da Oregon State University estudaram as flores usando um microscópio e ficaram atordoados com a condição em que as flores estavam.

“A âmbar preservou as partes florais tão bem que parecem ter sido escolhidas do jardim”, disse Poinar.

As flores, que foram nomeadas de Tropidogyne pentaptera, fazem parte da família Cunoniaceae.

As flores se assemelham a um “arbusto de Natal” moderno encontrado na Austrália.

C. gummiferum
C. gummiferum encontradas atualmente encontradas em diversos países.

“Em seu padrão geral de forma e venção, as flores fósseis se assemelham bastante ao gênero Ceratopetalum que ocorre na Austrália e na Papua-Nova Guiné”, disse Poinar.

“Uma espécie existente [ainda viva] é C. gummiferum, que é conhecida como o arbusto de Natal de Nova Gales do Sul porque suas cinco sépalas tornam-se brilhantes de rosa avermelhado perto do Natal”.

Os pesquisadores dizem que as flores devem ter sido encapsuladas em âmbar antes que o supercontinente de Gondwana se separasse, explicando por que essa espécie, encontrada em Myanmar, está relacionada às espécies modernas encontradas na Austrália.

 

Fonte: IFLS