Unicórnios são reais? Confira o que essa pesquisa descobriu

0 1.337

Unicórnios são reais, ou pelo menos eram reais.

As planícies do sul da Rússia, Ásia Central e Europa Oriental já abrigaram o Elasmotherium sibiricum, uma antiga espécie de rinoceronte também conhecida como “unicórnio siberiano”, por razões compreensíveis.

Por muito tempo, presumiu-se que esta espécie foi extinta entre 200.000 e 100.000 anos atrás. No entanto, uma nova pesquisa sugeriu que ela poderia ter vivido a Terra há pelo menos 39 mil anos, o que significa que humanos modernos poderiam ter entrado em contato com ela.

Conforme publicado na revista Nature Ecology & Evolution, cientistas do Museu de História Natural de Londres realizaram recentemente nova datação por espectrometria de massa com radiocarbono sobre os restos de 23 unicórnios siberianos.

Suas descobertas sugerem que o E. sibiricum sobreviveu na Europa Oriental e na Ásia Central até pelo menos 39.000 anos atrás, talvez até 35.000 anos atrás.

Considerando que os humanos caminharam até a Ásia Central e a Sibéria há aproximadamente 40.000 anos, é perfeitamente plausível que os humanos anatomicamente modernos e os Neandertais tenham visto esses animais de 3,5 toneladas em carne e osso.

unicórnios
Projeção de como seria o Elasmotherium sibiricum.

“Este evento de extinção da megafauna não começou realmente até cerca de 40.000 anos atrás”, disse o professor Dr. Adrian Lister, pesquisador de mérito do Museu de História Natural, em um comunicado.

“Portanto, o Elasmotherium, com sua aparente data de extinção de 100.000 anos atrás ou mais, não foi considerado como parte desse mesmo evento.”

Paleontologia e DNA

Uma análise em torno de seu DNA – a primeira vez que tal façanha foi feita em E. sibiricum – também descobriu que o antigo gênero Elastrotherium se separou do grupo moderno de rinocerontes há cerca de 43 milhões de anos, significando que o unicórnio siberiano foi a última espécie de sua antiga linhagem.

Leia mais

Seu estudo também destaca algumas outras ideias sobre a vida do E. sibiricum e talvez algumas pistas sobre o que levou à extinção.

Examinando as razões de isótopos estáveis ​​encontradas nos dentes e comparando os isótopos de carbono e nitrogênio com os encontrados nas plantas da Sibéria, eles conseguiram descobrir que tipo de alimento o unicórnio siberiano comia.

Como esperado, a dieta era provavelmente uma combinação altamente especializada (e penosa) de gramíneas duras e secas.

Talvez surpreendentemente, parece que os humanos não são os culpados pela extinção do E. sibiricum. Em vez disso, eles acreditam que seu estilo de vida especializado em pastoreio e o baixo número populacional significam que grandes flutuações climáticas os atingem com força.

Apesar de sua aparência imponente, esta fera foi possivelmente outra vítima da última Era Glacial.

Fonte: IFLS

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More