Estudos colocam em dúvida eficiência de probióticos – Veja!

0 316

Um grupo de cientistas afirmou que os probióticos, muitas vezes chamados de “boas bactérias”, não são tão bons quanto pensávamos que fossem.

Dois estudos publicados na revista Cell focou em habitantes de dentro do intestino humano. Eles descobriram que o trato digestivo na maioria das pessoas impedia que os probióticos fizessem qualquer efeito.

Eles podem até retardar o retorno das bactérias normais ao intestino depois de um tratamento com antibióticos por exemplo.

“As pessoas têm dado muito apoio aos probióticos, embora a literatura subjacente à nossa seja muito controversa. Nós queríamos determinar se probióticos como os que você compra no supermercado colonizam o trato gastrointestinal como deveriam e, em seguida, se esses probióticos estão tendo algum impacto sobre o hospedeiro humano “, disse o autor sênior Dr. Eran Elinav, do Instituto de Ciência Weizmann, em Israel, em um comunicado.

“Ao contrário do dogma atual de que os probióticos são inofensivos e beneficiam a todos, nossos resultados revelam um novo efeito colateral adverso potencial ao uso de probióticos que podem até mesmo trazer consequências a longo prazo”.

Entendendo melhor esses estudos

Estudos de probióticos normalmente dependem de amostras de fezes, mas nesta pesquisa eles analisaram o intestino humano diretamente. No primeiro estudo, 25 voluntários tiveram amostras do intestino coletados por endoscopias e colonoscopias, com um subgrupo recebendo probióticos e outro com placebo.

No segundo estudo, 21 voluntários receberam antibióticos e depois dividiram-se em três grupos, para ver se os probióticos poderiam repovoar o intestino com bactérias intestinais. Um grupo deixou o intestino se recuperar sozinho, outro usou probióticos, e o terceiro recebeu um transplante de sua própria bactéria por meio de transplante autólogo de microbioma fecal (aFMT).

Os resultados

Os resultados do primeiro estudo mostraram que alguns probióticos poderiam colonizar os intestinos de algumas pessoas, chamados de “persistentes”, mas outros rotulados como “resistentes” se livraram deles.

Assim, os probióticos só foram capazes de colonizar algumas pessoas, mas foram encontrados em todas as amostras de fezes, razão pela qual estudos anteriores podem ter sido enganosos.

Leia mais

Isso basicamente significa que quando você bebe uma daquelas bebidas probióticas de iogurte, é muito provável que vá direto para suas fezes, sem fazer muita diferença.

Nos resultados do segundo estudo, a equipe descobriu que o microbioma e a expressão genética do intestino (grupo de probióticos) não retornou ao nível normal por meses. O grupo aFMT, por outro lado, voltou ao normal em dias.

Os pesquisadores notaram que os probióticos não eram completamente inúteis. Além disso, parece que pessoas diferentes respondem a elas de maneiras diferentes – então os tratamentos podem ser adaptados mais especificamente às pessoas.

Como sempre acontece com esse tipo de coisa, mais pesquisas serão necessárias, especialmente para avaliar os efeitos clínicos dos probióticos. Mas os sinais desta pesquisa parecem indicar que as “bactérias boas”, talvez não sejam a solução prometida em embalagens.

Fonte: IFLS

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More