Notícia interessante é Notícia Alternativa - Ciência/Saúde/Cultura/Tecnologia

Aranhas voadoras povoaram ilhas no meio do oceano. Saiba mais!

0 64

As aranhas voadoras se espalharam pelo céus para conquistar ilhas remotas no Oceano Pacífico.

Pesquisadores descobriram três novas espécies de “aranha fantasma” na ilha Robinson Crusoé, um local a cerca de 600 kilometros do Chile – e evidências sugerem que elas voaram centenas de quilômetros para chegar lá.

De acordo com a equipe, o “náufrago de oito patas” usou uma técnica conhecida como balonismo para colonizar áreas do outro lado do oceano há dois milhões de anos e, em seguida, experimentou uma rápida evolução para se dividir em várias espécies.

As aranhas fantasmas são nativas da floresta tropical temperada de Valdivian, uma eco-região na América do Sul continental.

Aranhas voadoras
Aranhas voadoras chegaram até a Ilha Robinson Crusoe

O novo estudo foi publicado na Molecular Phylogenetics and Evolution. Esses aracnídeos desenvolveram maneiras de expandir seu alcance. O gênero Philisca inclui espécies tanto no continente como a centenas de quilômetros através do oceano, na ilha Robinson Crusoé, no arquipélago Juan Fernández.

Isto foi conseguido provavelmente em um único evento da colonização com “uma dispersão aerotransportada mediada pela seda que são transportadas pelo vento.”

Depois que chegaram na ilha

Depois de chegar à ilha, várias outras espécies logo surgiram.

“Tudo o que vive lá vem de algum outro lugar e evoluiu em um curto espaço de tempo”, disse Dr. Martín Ramírez, pesquisador de aranhas do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica da Argentina, à National Geographic.

“Não é raro encontrar aranhas voadoras no meio do oceano.”

Leia mais

A equipe, incluindo o principal autor Dr. Eduardo Soto da Universidade de Buenos Aires, estudou aranhas na região desde 2011.

Os investigadores descobriram agora um número de espécies novas, incluindo quatro espécies novas da aranha fantasma e três que ainda serão nomeadas.

Muito sobre a nova espécie ainda permanece um mistério, mas a equipe observou algumas características que se destacam daqueles encontrados no continente.

Fonte: Daily Mail