Algas no cérebro? Veja o que essa pesquisa descobriu

0 233

É uma mistura estranha, mas funciona: as algas que vivem dentro dos vasos sanguíneos de girinos podem bombear oxigênio para as células nervosas.

Usar algas como fábricas locais de oxigênio no cérebro pode um dia levar a terapias contra derrames ou outros danos por falta de oxigênio, disseram pesquisadores da Universidade Ludwig-Maximilians de Munique na reunião anual da Sociedade de Neurociências.

“No começo, parece realmente engraçado”, diz a neurobióloga Dra. Suzan Özugur. “Mas funciona, então porque não? Acho que tem um grande potencial”. Possibilidades ainda mais futuristas incluem o uso de algas nas veias dos astronautas em missões espaciais de longo curso, diz o neurobiólogo Hans Straka.

Straka, Özugur e seus colegas produziram oxigênio em cabeças de girinos cortadas para manter as células nervosas ativas. Mas em conversas com botânicos, Straka teve a ideia de usar algas. “Eu não chamaria isso de louco, mas não convencional, digamos.”

Os pesquisadores injetaram algas verdes (Chlamydomonas reinhardtii) e cianobactérias (Synechocystis) nos vasos sanguíneos dos girinos, criando um animal esverdeado assustador. Ambas as espécies de algas produzem oxigênio em resposta à luz que brilha através dos corpos translúcidos dos girinos.

Quando os pesquisadores esgotaram o oxigênio no líquido ao redor de uma cabeça de girino sem corpo, os nervos oculares ficaram em silêncio e pararam de disparar sinais. Poucos minutos depois de um flash de ativação de algas, os nervos começaram a disparar sinais novamente, descobriram os pesquisadores.

Até agora, as reações ao trabalho variam de “Frankenstein a ‘Uau, isso é muito legal'” “, diz Straka.

Não está claro quanto tempo as algas podem sobreviver nos vasos sanguíneos. Também não está claro quão bem os animais – incluindo as pessoas – tolerariam os convidados extras.

É improvável que a descoberta seja usada na clínica, diz a neurocientista Kathleen Cullen, da Universidade Johns Hopkins. Mas “motiva uma exploração mais aprofundada de abordagens não convencionais para avançar os tratamentos para hipóxia cerebral, incluindo derrame”.

A equipe de Straka planeja estudar se as algas podem fazer outros trabalhos no cérebro. As algas também podem fornecer glicose às células nervosas, ou mesmo moléculas que influenciam o comportamento das células nervosas, diz ele.

Fonte: Science News

Leia mais

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More